Recomendações

(4,575)
Rodrigo Xavier, Advogado
Rodrigo Xavier
Comentário · há 10 dias
Não sei se podemos utilizar como argumento o número de abortos ocorridos no país. Se assim fosse, deveríamos, de igual modo, descriminalizar o furto até um valor de R$ 300,00, ou uma lesão corporal até uma certa quantidade de escoriações. Concordo com as hipóteses já legalmente previstas. Essas fogem da autonomia de vontade da mulher e elas não devem sofrer as concequências naturais de algo que não escolheu participar. As que estão dentro da autonomia de vontade dela, discordo. Minha família é cheia de gravidez indesejada e, ainda bem, que essas vidas vieram ao mundo! Ainda que se pense na liberação, 3 meses me parece um prazo muito longo. Não sei se as pessoas que autorizaram isso viram um feto de 3 meses. Sempre digo isso sobre o assunto: não podemos reverter as consequências naturais dos atos decorrentes da autonomia de vontade. Ao contrair o virus HIV decorrente de uma relação sexual, podemos, por deliberação judicial autorizar a remoção do virus do corpo, pois não é da vontade da pessoa que contraiu o virus ficar com o virus? Posso decidir remover um câncer de pulmão tendo usado minha autonomia para fumar a vida inteira? Posso reverter uma lesão na coluna decorrente da ação voluntária de dirigir sob a influência de álcool e sofrer um acidente ao volante? Posso, simplesmente, dizer: "restaura minha coluna". A lei, por sua aplicação genérica, não pode regular as exceções. Há exceções de mulheres que engravidam por ineficácia de métodos contraceptivos? Sim. Não sei se isso é um pensamento machista. Machista seria se eu defendesse a irresponsabilidade do genitor do ato. Acredito que o pai deve ter mais responsabilidade desde a concepção. Os alimentos gravídicos são um avanço nesse sentido. É muito pouco perto das consequências que a mulher sofre. Agora, por exemplo, para meninas menores. Talvez seria algo a se pensar. Mas de forma ampla, discordo. Outros critérios como socieconômico, no meu entender, soam como eugenia. Não sei, mas uma sociedade deve se pautar por valores que defendam os mais vulneráveis e, no meu entender, o feto seria o ser mais vulnerável, ainda mais aos 3 meses. Espero uma sociedade que valorize a vida. A vida de todos! A vida do rico, a vida do pobre, a vida do livre, a vida do encarcerado, a vida do nascido, a vida do nascituro. Então, a permissão genérica para a prática, no meu entender, não é a opção correta. Podemos pensar nas menores de idade e as hipóteses já legitimadas. Estas últimas sou totalmente de acordo. Sou totalmente a favor de uma maior responsabilização do pai desde a concepção, mas não a eliminação do feto, ainda mais nessa altura da gestação.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Hyago

Carregando

Hyago de Souza Otto

Entrar em contato